No Blogue dos caras: Leonardo Sodré

Leonardo Sodré é jornalista e atualiza o blogue becopress. Esta semana, ele escreveu uma bela crônica sobre o lançamento do Mano Celo. Massa. 🙂

Suando com Mano Celo/Leonardo Sodré

Na última quinta-feira, 07, fui ao lançamento do livro de Carlos Fialho, Mano Celo, na livraria Siciliano do shopping Midway. Detesto shoppings, mas não queria perder o lançamento do livro e lá fomos nós – eu e Mércia – enfrentar o já conhecido engarrafamento das 19h, dos estacionamentos daquele ajuntamento de lojas.

A livraria estava completamente lotada. Pegamos uma fila e compramos o livro, para depois entrar na outra fila, dos autógrafos. Essa é que estava grande! Ficamos lá e já perto de pegar o oferecimento histórico do autor, percebi que o livro estava com alguns defeitos de impressão. Corri de volta para o balcão onde o compramos. No caminho passei por um garçom com a bandeja lotada de uísque. Do outro lado, no balcão, Zé Arruda Fialho, pai do autor, Castilho, da Redinha e Nei Leandro de Castro. Todos devidamente abastecidos. Aí Castilho levantou o copo e disse:

– Aceita um uísque ou algo mais?

Fiquei sem saber se ia trocar o livro ou ficava por ali mesmo. A tentação era forte, mas o livro precisava ser autografado e Mércia já estava começando a chegar perto do autor de Mano Celo. Cheguei ao balcão tenso.

– O que o senhor deseja? Perguntou a moça, cansada de vender livro de Fialho.

– Quero trocar esse exemplar que está com defeito. Respondi, enquanto olhava para trás e via o papo animado dos amigos. Minha boca ficou seca.

– A troca é daquele lado… E apontou com o nariz.

Fiz carreira e cheguei ao balcão cheio de gente, apelando:

– Meu caso é rápido, é somente para trocar esse livro. E eu disse, enquanto de longe Castilho levantava uma dose de uísque e um salgadinho, como me oferecendo. Engoli em seco.

– Não é aqui não moço, é ali naquele outro balcão. Justamente o que eu estava. Voltei olimpicamente e fazendo uma força danada para ficar calmo.

– Moça, a funcionário do outro lado disse que era aqui mesmo que trocava o livro… Roguei desesperado. Nesse ponto os três, Castilho, Arruda Fialho e Nei Leandro olhavam para mim balançando suas pedras de gelo dentro do copo. “Esses caras querem me matar”, pensei.

– Pois não é não, ela disse já meio aborrecida. Volte para onde veio, porque é lá mesmo que troca o livro.

Voltei e fui instado a voltar novamente para onde tudo começou. Aí a moça, que não era mais a mesma, me perguntou:

– O que o senhor deseja?

– Uma dose de uísque e um salgadinho, por favor.

Tags: ,

Uma resposta to “No Blogue dos caras: Leonardo Sodré”

  1. Gustavo Guedes Says:

    Putz, não tive a oportunidade de ver o Nei Leandro de Castro.
    Fiquei puto com essa agora.
    Nunca, na minha breve história, vi a Siciliano abarrotada de tanta gente.
    As vendedoras (vide post) da Siciliano já estavam tão cansadas de fazer as mesmas coisas (vender os malditos livros), que estavam organizando um motim para o boicote das trocas. Eu acho que elas estavam se sentindo os operários de antes da Revolução Industrial. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: