Coluna da Digi # 79 – Realizadores: Ânderson Foca.

Mais uma crônica da série Realizadores (Leonardo Panço, Fábio de Silva, Revista Catorze e Válerio Augusto). Dessa vez, o personagem foi Ânderson Foca, o homem que entre uma bola e outra que equilibra no nariz, ainda movimenta a cena rock de Natal, formando um público roqueiro que certamente vai tirar a cidade da monocultura em que se encontra há décadas. Esta coluna foi publicada na Digi em 03 de novembro de 2009. Releiam e, se gostarem, divulguem.

***

Realizadores: Ânderson Foca.

Ana Morena e Ânderson Foca - o casal Dosol

Conheci Ânderson Foca há muito tempo, através de dois amigos em comum, Caio Vitoriano e Leonardo Medeiros. Na época, estávamos numa mesa de lanchonete e descobrimos que torcíamos pelo mesmo time. Fanáticos por futebol que éramos, e somos até hoje, desenvolvemos uma animada conversação sobre as possibilidades de nossa equipe no ano que se anunciava (era um dezembro qualquer da década de 90). Aquele diálogo foi a centelha de uma amizade duradoura que revelou diversas afinidades, interesses comuns e nos enriqueceu com outros novos amigos apresentados de parte a parte.

Porém, deixando um pouco a amizade de lado, houve um momento em que eu passei da condição de simples amigo para fã confesso e entusiasmado admirador do trabalho de Foca. Na segunda metade dos anos 90, ele era um dos caras que proporcionaram com que se pudesse sair na cidade e ouvir algo além do ritmo preferido dos natalenses, o forró-pagode-axé. Naqueles anos, algumas válvulas de escape pops respondiam por “Banda Officina”, “Inácio Toca Trumpete” (de Karol Polsadski), a “Boca de Sino”, além dos ótimos “Mad Dogs” do ídolo Paulo Sarkis que, como vinho, ficam ainda melhores com o tempo. Em meio a uma cidade monocultora por convicção, Foca e seus colegas de banda conseguiam viver de Pop-Rock com bons vencimentos a cada mês. Isso mostrava um lado empreendedor bastante apurado e uma firmeza de propósitos de quem realmente quer atingir seus objetivos. Entretando, apesar de gostar do trabalho, não foi aí que virei fã do Foca.

Foi com a iniciativa e o trabalho árduo à frente do Dosol (selo musical, estúdio de gravação, rock-bar, centro cultural e festival) que ele me convenceu, ganhando pontos e estrelas no boletim hipotético no qual emitimos notas mentais e julgamos todas as pessoas que conhecemos em nosso inconsciente.  Com a abnegação, sacrifícios e conquistas obtidas, Foca deixou de ser simplesmente um amigo e passou a ser uma pessoa daquelas que a gente tem orgulho de conhecer. Ele subiu o elevador no meu conceito e agora era alguém que fazia algo relevante para a coletividade, que tentava realizar um trabalho notável, colocando Natal entre as cidades onde acontecem coisas boas, que recebem bons concertos de cultura alternativa, por onde passam bandas legais que gostaríamos de ver ao vivo. E não só isso, mas também promovendo um fluxo de mão dupla, oferecendo aos jovens roqueiros potiguares a chance de levarem o seu trabalho pra fora, gravarem suas músicas, mostrarem suas performances para gente do meio que viesse para a cidade.

Todo mundo deve ter alguém com história semelhante. Um cara que se conhece há tempos e que prospera, vence, se destaca, faz e acontece, nos deixando orgulhosos, como se também fizéssemos parte, de alguma forma, das façanhas empreendidas. Em mim, dá uma sensação boa, pois fico feliz, de verdade, com o êxito dos amigos. Como fiquei em 2005, quando vi a última noite do Festival Dosol lotada por um público empolgado. Também em 2007, quando o festival perdeu o patrocínio devido às jogadas do Governo do Estado e da Fundação José Augusto para financiar projetos do próprio Governo através da Lei Câmara Cascudo para depois anunciar que a “verba tinha acabado”, e mesmo assim ele realizou o maior festival de Rock já ocorrido no RN até então com mais de 50 bandas, muitas tocando de graça, na brodagem, pra ajudar diante da situação difícil.

E agora chegamos a 2009. Mais uma edição do Festival Dosol se avizinha, a programação oficial saiu com 23 bandas potiguares, 17 do resto do Brasil e mais 3 gringas de expressão e relevância. Fico com um sorriso estampado no rosto ao saber dessas coisas. Em saber que um trabalho persistente, bem feito, mesmo diante das muitas adversidades que se impõem na província, alguém consiga colher frutos, dividi-los conosco e promover um bem maior para a cidade e sua cena cultural. O trabalho de Foca nem sempre encontra reconhecimento e o valor que merece, o que ele faz não repercute na Afonso Pena nem nas boates da Salgado Filho, mas é de boas ideias e disposição de colocá-las em prática como as dele que surgem grandes resultados. Todas as iniciativas do Dosol representam uma vitória contra o marasmo, a mesmice, a mediocridade e a estagnação. Por isso, confesso aos meus leitores que hoje, talvez mais do que amigo, sou fã do cara. O sucesso dele e de suas invenções é também um pouco meu.

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: